O ômega 3 é um ácido graxo essencial que não pode ser fabricado pelo organismo e se divide em três tipos: ácido alfa-linolênico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosahexaenoico (DHA). Mas muito se fala sobre o Ômega 3 EPA e DHA, não é mesmo? Estes ácidos graxos têm como principais benefícios auxiliar a saúde do coração e a circulação sanguínea e melhorar os processos cognitivos, como o funcionamento da memória e da correta sinalização entre os neurônios. Mas você sabe o que é Ômega 3 EPA e DHA e como eles agem em seu organismo? Confira este artigo e entenda!

Ômega 3 EPA

O EPA, denominado ácido eicosapentaenoico, auxilia na produção de prostaglandinas, substância antiinflamatória que faz parte das nossas defesas.

Um dos benefícios é evitar a formação de trombos (coágulos) no sangue, prevenindo doenças cardiovasculares, trombose e acidente vascular cerebral. O EPA também tem ação sobre doenças de caráter inflamatório, como a obesidade, lúpus, celulite e artrite.

Ômega 3 DHA

O DHA está presente na parte estrutural e funcional de cada célula do corpo, e desempenha um papel essencial na proteção do cérebro e dos olhos.

Ele ainda possui ação antioxidante e favorece a conexão entre os neurônios do cérebro, o que auxilia na memória, atenção e no raciocínio.

O cérebro é composto por 40% de DHA e 60% de gordura, e por isso o consumo deste ácido graxo ajuda muito na otimização da mente, auxiliando na capacidade de aprendizado, no humor e consequentemente na qualidade de vida.

Ele, inclusive, é indispensável para o desenvolvimento do sistema nervoso do bebê, sendo essencial o consumo durante a gestação.

 

Qual a interação entre Ômega 3 EPA e DHA?

Recomenda-se para a saúde, em geral, as proporções de 3:2 de EPA e DHA respectivamente. Isso quer dizer que se o consumo de EPA for de 300mg, o de DHA deve ser de 200mg. Essa proporção é encontrada em peixes oleosos de águas profundas e frias, como o arenque, sardinha, salmão e atum. Porém, dependendo do objetivo, essas proporções podem variar. Se um indivíduo busca uma potencializada ação anti-inflamatória recomenda-se que consuma uma proporção maior de EPA, e quando se busca uma ação mais direta ao cérebro e aos olhos, deve investir em uma quantidade mais expressiva de DHA. Ambos são indicados para qualquer indivíduo.

Vitamina E e ômega 3

É bastante propício e benéfico para a saúde e para um melhor aproveitamento dos benefícios do ômega 3 combinar seu consumo com suplementos de vitamina E, uma verdadeira aliada dos ácidos graxos. Isso acontece porque os ácidos graxos oxidam com muita facilidade dentro do organismo, o que faz com que suas propriedades benéficas sejam perdidas de forma rápida. A vitamina E, por ser um potente antioxidante, pode garantir maior durabilidade aos ácidos graxos e potencializar os efeitos benéficos dessas substâncias para a saúde.

Fontes de ômega 3 EPA e DHA

A tabela a seguir demonstra a quantidade de EPA e DHA de acordo com os principais alimentos fontes.
ômega 3 EPA e DHA : cérebro

É bastante propício e benéfico para a saúde e para um melhor aproveitamento dos benefícios do ômega 3 combinar seu consumo com suplementos de vitamina E, uma verdadeira aliada dos ácidos graxos.

Isso acontece porque os ácidos graxos oxidam com muita facilidade dentro do organismo, o que faz com que suas propriedades benéficas sejam perdidas de forma rápida.

A vitamina E,por ser um potente antioxidante, pode garantir maior durabilidade aos ácidos graxos e potencializar os efeitos benéficos deles dentro do organismo.

E quais as fontes seguras de consumo do Ômega-3? Qual a recomendação diária? Descubra abaixo!

Lista de fontes com quantidade de EPA e DHA

A tabela a seguir demonstra a quantidade de EPA e DHA de acordo com os principais alimentos fontes.

Vale ressaltar que não há uma recomendação exata de quanto devemos ingerir de EPA e DHA. Porém, algumas organizações de saúde recomendam uma quantidade diária de 250 a 500mg para adultos saudáveis.

Cuidados para um consumo saudável

Por ser proveniente de peixes ou algas, o ômega 3 EPA e DHA é contraindicado para pessoas alérgicas a esses seres. Neste caso, pode-se optar por outras fontes, como sementes e leguminosas. Essas fontes só possuem ALA, que é convertido em EPA e DHA após ser absorvido no organismo. Estima-se que a taxa de conversão de ALA para EPA no fígado seja de cerca de 21% nas mulheres e entre 0,3% e 8% nos homens, e quanto ao DHA a conversão fica entre 1% e 9%. Neste sentido, é importante levar em conta esta conversão, pois para obter os benefícios destes ácidos graxos essenciais, o consumo de sementes e leguminosas deve ser realizado em quantidades suficientes. O Ômega 3 ainda não é indicado para pessoas com problemas de coagulação, pois como deixa o sangue mais fluído, há o risco de causar hemorragia em casos extremos. Para gestantes, o principal cuidado deve ser quanto à dosagem. Por isso só devem consumir a quantidade recomendada pelo médico ou nutricionista. icionista.
ômega 3 EPA e DHA : peixe

Outros cuidados que devem ser tomados são em relação à quantidade de mercúrio presente nos peixes atualmente. O mercúrio é um exemplo dos metais pesados encontrados em meio aos nutrientes, e pode trazer sérios problemas para a saúde causando intoxicação e danos para o cérebro, rins, entre outros órgãos.

Os principais sintomas relacionados a esse problema são dor de cabeça, fraqueza, insônia e atrofia muscular.

Vale ressaltar que até mesmo plantas e animais de pequeno porte podem estar contaminados por mercúrio e causar intoxicação.

Outro ponto importante é que grande parte dos peixes consumidos no Brasil são criados em cativeiro e alimentados por ração, o que não propicia que o animal seja uma boa fonte de Ômega 3, pois esse nutriente é obtido pelos animais por meio do consumo de algas, como explicaremos em breve.

A forma mais segura de ingerir, portanto, é optar por alimentos ou suplementos isentos de contaminantes e que contenham as quantidades recomendadas já citadas acima.

Como escolher o melhor suplemento de Ômega 3?

Ao escolher um suplemento de Ômega 3 EPA e DHA é importante observar alguns pontos:

confira o rótulo do produto — compre somente aqueles que contenham a quantidade de EPA e DHA determinada e descrita no rótulo, e não apenas com a quantidade total de Ômega 3;
se o seu objetivo é melhorar a função cerebral — procure um suplemento com maior quantidade de DHA;
está buscando benefícios anti-inflamatórios? A melhor opção é o suplemento com maior quantidade de EPA;
pesquise e informe-se sobre a empresa — é importante que ela tenha cuidado com o grau de contaminação por metais pesados.

DHA vegetal

As microalgas se destacam, pois fornecem grandes quantidades de Ômega-3 na forma ativas de DHA! Inclusive os peixes são ricos em Ômega-3 – DHA pois consomem esses vegetais.

Além de ser uma fonte vegana de qualidade, diferentemente dos óleos de peixe, o ômega-3 de microalgas é produzido de forma sustentável.

Sendo produzidas em cultivos isolados, evitam a exploração, garantem o controle e a segurança alimentar e ainda tornam-se livres de contaminantes que estão presentes em nosso oceano.

Uma melhor alternativa para o consumo e também mais prática é o óleo de microalgas, que possui o ômega-3 puro e já isolado (DHA) prontos para o consumo humano, com uma absorção mais rápida pelo organismo.

A maior concentração, melhor absorção e sustentabilidade, fazem com que o óleo de microalgas seja sem dúvidas a melhor alternativa 100% vegetal, capaz de suprir o consumo de ômega-3 de todas as opções alimentares e estilos de vida, em especial para os veganos, que sofrem com a sua escassez.

A Ocean Drop, pensando nisso, é a primeira empresa do Brasil que trouxe até você, importado dos EUA, um ômega-3 DHA 100% vegetal de microalgas!

Ficou interessado e quer saber mais sobre o DHA de algas?

Então acesse o site da Ocean Drop e conheça o Ômega-3 DHA 100% vegetal!